Banner topo
Kuwait - o sabor da gastronomia árabe

O mundo se encontra à mesa. Sempre digo isso. Não existe nada que não possa ser dialogado e resolvido apreciando um bom prato típico ou uma bebida que represente um país. O embaixador do Kuwait, em Brasília, Nasser Riden Almotairi, recebeu em sua residência, um grupo de convidados para apresentar um pouco de seu país e, é claro, a rica gastronomia do povo árabe. 

A gastronomia do Kuwait é uma fusão da cozinha árabe, persa, indiana e mediterrânea. Na cultura do povo do Kuwait, as refeições representam uma importante base para a comunicação entre as pessoas, sendo destaque nos encontros familiares e nos círculos sociais. Os doces, muito delicados e elaborados manualmente, geralmente são feitos com nozes, pistaches, amêndoas, frutas frescas e mel - aliás, um mel mais leve que acaba por aromatizar de forma sutil os outros ingredientes. Um dos destaques da culinária árabe, o Baklava - uma torta de massa folhada e de origem turca esta presente em praticamente todos os países de origem árabe, no Kuwait não seria diferente. 

As leis do Kuwait não permitem a bebida alcoólica e isso é seguido pelas embaixadas em todo o mundo. Mas a criatividade em chás e sucos das mais variadas frutas não permitem que sintamos falta de não estar bebendo algo com álcool em suas refeições. 

 

 

 

 

 

Vinícola Lapostolle - delicadeza francesa em solo chileno

Vinícola Lapostolle. Apresentação dos rótulos da vinícola chilena aos profissionais do vinho - sommeliers - e restaurateurs dos principais restaurantes do Distrito Federal. Apesar da vinícola ser chilena - conhecidos principalmente por vinhos robustos - a Lapostolle tem em sua base a estruturação de vinhos com essência francesa, européia. Vinhos elegantes, leves, convidativos. Kendy Silvério - Brand Manager da vinícola - sommelier e responsável por mostrar na América Latina os rótulos da Lapostolle. Importadora Mistral. Steak Bull Churrascaria. Quinta/28.02

 

 

 

Kuwait: gastronomia árabe com toque comemorativo

A Embaixada do Kuwait celebrou nessa quinta-feira (21),em Brasília, a 58a Data Nacional do país e 28o Dia da Libertação do Kuwait com pratos típicos e doces que fazem referência ao mundo árabe. Sofisticação, elegância, serviço primoroso fizeram parte da comemoração que teve como anfitrião o embaixador Nasser Riden Almotairi. A capital federal brasileira tem em sua base as embaixadas que representam aqui países dos mais diversos continentes. Nessa visão de comemoração, embaixadores de todo o mundo radicados em Brasília compareceram. 

No cardápio, pensado com dedicação, além dos tradicionais pratos kuwaitianos, alguns que também levavam ingredientes bem brasileiros, como, por exemplo, o Robalo em Crosta de Pistache e Xerém de Caju ao Molho de Limão Siciliano sob Manto de Couve. No menu, ainda, Carneiro - o sempre tradicional carneiro presente em todas as mesas comemorativas do Kuwait - Recheado com Charuto de Folha de Uva. Seguindo a linha da carne de carneiro, ele também esteve presente recheado com arroz. Nos acompanhamentos, além de outros, o tradicional Arroz com Amêndoas e o também o Arroz com Lentilhas. 

Nas ilhas de sobremesas os doces e tortas árabes (Knefh) mesclados em bandejas a doces brasileiros. E, é claro, um símbolo do mundo árabe: tâmaras. 

O mundo se encontra à mesa. 

 

 

 

 

 

 

Cervejas Artesanais Arretadas, ôxi

O Bar Godofredo realizou no último sábado um festival de cervejas artesanais destinado às boas cervejas da região Nordeste do país. Foram 33 cervejas, de 16 cervejarias, dos 9 estados que compõem a região. Cervejas de vários estilos, desde as mais leves, como as Witbier e Sour até as encorpadas, caso típico das Stout. Cervejarias do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Piauí, Maranhão, Pernambuco - estado com o maior número de representantes, Alagoas e Sergipe mostraram o que a turma de lá de cima esta produzindo de melhor. 

E tinha muita coisa legal. Curti demais uma ceva da Caatinga Rooks, de Alagoas, estilo Stout com Coco Queimado - o gostinho equilibrado ficava na boca, mesmo com um teor alcoólico de 7,5%. Sergipe também trouxe através da Cervejaria Uçá, uma estilo Sour com Caju, leve, viciante, aroma explosivo da fruta. Teor alcoólico de 5%. A Cervejaria Seis Punhos, de Pernambuco, entre outras estava com uma de trigo, a Weiss com Gengibre, muito equilibrada no álcool e no sabor espetacular e refrescante do gengibre na fórmula. Teor alcoólico, 5% também. 

De acordo com os sócios Ailton Tristao e Vando, outras regiões já estão sendo contatadas para se mostrar aqui em Brasília o que o país produz de melhor: cerveja de boa qualidade, meu amigo. 

 

Bar Godofredo

408 Norte 

 

 

 

 

 

 

Donburi - Cozinha Nikkei: nova Casa da chef Rosa Takematsu em Águas Claras

A chef de cozinha Rosa Takematsu tem em sua essência a cozinha japonesa. Para a nossa sorte, conta agora com o apoio dos três filhos para tocar essa tarefa. Todos entraram de cabeça para o sucesso dos dois restaurantes: o já tradicional no Setor Comercial Sul - que tem na fachada em letras garrafais o seu nome, só quem se garante coloca o próprio nome em destaque - e agora no novo restaurante Donburi - Cozinha Nikkei na efervescente e nova cidade de Águas Claras que se desponta mesmo ainda moça como um novo pólo gastronômico do Distrito Federal. 

Ali ninguém fica parado. Cozinha, Salão, caixa, recebimento de mercadorias, todo mundo se desdobra. Toda família faz de tudo. Não é à toa, na festa japonesa que anualmente é celebrada no Clube Nipo, no Plano Piloto, a equipe de Takematsu fez 4.500 yakisobas em 4 horas. Enfileira 4 mil yakisobas um do lado do outro, a fila deve ir até Tóquio. 

O cozinha Nikkei utilizada no nome faz referência aos tradicionais pratos japoneses, mas também a utilização, em alguns casos, de ingredientes brasileiros que se adequam ao paladar do povo daqui. O Brasil que tão bem recebeu os imigrantes de lá.  

Donburi - a refeição mais tradicional japonesa onde o arroz japonês puro vem acompanhado de legumes, carnes e conservas. 

A família Takematsu em sua simpatia e trabalho determinado mostra que quando se quer, as coisas funcionam. Lá você vai encontrar desde os tradicionais Temakis - os cones de alga com arroz, peixe e temperos; curiosidades, como o Takoyaki - bolinhos de polvo ao molho tontatsu, maionese, raspas de peixe e nori (alga marinha) - porção/6 unidades (R$ 19), considerada comida de rua no Japão; os já consagrados Yakisobas; Combinados de Sushis & Sashimis; os Donburis, é claro, dão nome à Casa... Enfim, desde as refeições mais simples até as mais elegantes. E o mais importante: para todo o tipo de bolso. 

Você pode ir com a família e consumir os pratos no local - bem agradável algumas mesas ali colocadas - ou pedir o delivery (sempre forte sistema de entrega de Takematsu). 

 

Donburi - Cozinha Nikkei Águas Claras

Rua Babaçu - lote 25 - loja 1

3321.0860

Face: /donburibsb

Instagram: @donburidelivery

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Khachapuri: o prato símbolo de um povo

O Embaixador da Geórgia, David Solomonia, e a sua esposa, Embaixatriz Olena Terentieva, ensinaram na última semana um prato típico de seu país. Literalmente colocaram a mão na massa pra fazer o Khachapuri. Um símbolo que é servido desde o café da manhã, pode ser apreciado em ocasiões informais - cada região tem a sua pequena variação do khachapuri - e ainda servido em momentos festivos e elegantes. Segredo de um bom khachapuri: queijo fresco e de qualidade. Uma espécie de pizza. Um pão. Vou contar em detalhes no Giro Gastronômico, da BandNews FM Brasília, como é feito e a importância desse prato para o povo de lá. Quer outra curiosidade: a Geórgia é reconhecida como a região vinícola mais antiga do mundo, tendo mais de 8.000 mil anos de história. Sim, eles têm bons vinhos para acompanhar o khachapuri. Mas isso é papo para o Giro Gastronômico. 

Foto: da esq. eu,Embaixatriz Olena Terentieva e Embaixador David Solomonia. 

 

 

 

Frei Caneca: bom atendimento, valem os 10%

O Frei Caneca esta de volta. Aquele saudoso Frei Caneca que balançou na pista de dança Brasília, no Brasília Shopping - o Frei Caneca Draft - e também o da 10 da Asa Sul. São outros sócios, a Casa agora também conta com um cardápio bem legal, elaborado pelo chef-executivo Edilson Alves, que trabalhou com grandes chefs de cozinha pelo país. Passou um tempo em Manaus, terra da gastronomia nativa brasileira. Risotos, o clássico Filet Oswaldo Aranha, Bolinho de Bacalhau, uma carta de coquetéis bem extensa e moderna, chopp Brahma bem tirado e muito gelado, enfim, ambiente para agradar todo tipo de cliente. Cada dia da semana, na parte da noite, tem DJ e depois um showzinho ao vivo, nos mais variados estilos: vai desde pop rock, mpb, sertanejo, escolha sua noite e vá curtir o novo Frei Caneca. Uma Casa que fez história em Brasília. Uma Casa que volta para mais registros nas páginas de viver bem a capital do país. Outra coisa legal: entre o almoço e o jantar o Frei Caneca não fecha, quer dizer, se você quiser almoçar às 15h43min, a cozinha vai estar aberta. Algo raro de se encontrar em Brasília. 

Foto: Petit Gateau de Doce de Leite - elaborado com doce de leite argentino e, como tem que ser, se você partir com a colher escorre aquele recheio cremoso. 

Frei Caneca

105 Sul 

 

Áreas centrais: as raízes de um povo

Centro, região central. Onde todos passam. Trânsito intenso de todo tipo de gente. Quer conhecer o costume de um povo, conheça a região central. Fazia tempo que não passava à pé pelas galerias do Setor Comercial Sul, em Brasília, onde engravatados, trabalhadores e ambulantes circulam. Uma curiosidade em quase todos os buffets populares: prato menor, mais barato, mas a atendente serve a carne. Prato maior, por quilo, você serve, é bem mais caro. Tô no quilo, fiquei de olho nessas almôndegas. Vai que a atendente só servisse duas :) No prato, ainda: abóbora japonesa refogada, feijão carioca, arroz integral, salpicão, beterraba, farofa de pequi e batata doce cozida. Ô Brasilzão, amo muito tudo isso.